Atualizado em: 5 de dezembro de 2021 às 7:41h
Encontre o que você precisa aqui:

História

Início História
Sobre Extremoz
Logotipo História

Extremoz era habitada pelos índios Tupis e Paiacus, e o seu nome era Aldeia Guajiru, devido a existência abundante de uma fruta no local de mesmo nome. Em 1607 as terras firam concedidas pelo Capitão-mor do Rio Grande do Norte, Jerônimo de Albuquerque, para os Jesuítas com objetivo principal de catequizar os índios, ali eles construíram uma igreja, e um convento (hoje em ruínas), às margens da lagoa que tinha o nome de Lagoa do Tijuru, que depois passa a se chamar Lagoa do Guajiru, e hoje Lagoa de Extremoz, segundo Câmara Cascudo essa igreja foi a mais bela igreja Colonial da época. Os Jesuítas atuaram na aldeia até 1759, a expulsão se deu em todos os reinos dominados por Portugal, sendo assim assim os dois últimos padres jesuitas a saírem da Aldeia foram os padres Alexandre de Carvalho e seu companheiro José Ferreira, eles passaram os bens da igreja ao novo diretor Antônio de Barros Passos, o Vigário Padre Antônio de Souza e Magalhães, seu Coadjutor e o Mestre Antônio de Barros Passos Jr. que desembarcaram em 9 de Junho de 1759 em Genipabu, para virem instalar a nova Vila.

Sendo assim, em 3 de Maio de 1759, era fundada pelo Ouvidor de Pernambuco Bernardo Coelho Gama e Casco, a primeira Vila do Rio Grande do Norte, a Vila Nova de Estremoz do Norte, um dos critérios nos nomes das novas vilas, é que as mesmas tivessem nomes de cidades portuguesas, e Estremoz com “S”, é um nome de uma cidade, e foi escolhida em homenagem ao Ouvidor Bernardo Coelho Gama e Casco, pois ele era de Estremoz em Portugal. Em 18 de Agosto de 1855 a sede da Vila é transferida para Boca da Mata, que a partir desta data passa a se chamar então de Ceará Mirim, e Extremoz passa a se tornar povoado, todo o centro econômico é transferido para Ceará Mirim devido aos engenheiros de açúcar.

Em 4 de Abril de 1963 Extremoz consegue se desmembrar de Ceará Mirim, e alcança sua Emancipação política, e torna-se Daniel Pinheiro o primeiro Prefeito de Extremoz, conhecido como o prefeito da emancipação.


Hino Municipal
Extremoz, ó terra querida
És a jóia que vive a brilhar
Nossa alma te eleva com vida
Nosso povo há de te exaltar

Extremoz, Extremoz
Nossa linda cidade floriu
És a joia do Rio Grande do Norte
Dando brilho ao nosso Brasil

Em tuas praias, tu és majestosa
Onde o sol há de te coroar
Alvas dunas e negros penedos
Litoral de belezas sem par

Extremoz, Extremoz
Nossa linda cidade floriu
És a joia do Rio Grande do Norte
Dando brilho ao nosso Brasil

Em teu peito vive a esperança
Do progresso que há de vir
Os teus filhos demonstram civismo
O cumprir, o saber e o servir

Extremoz, Extremoz
Nossa linda cidade floriu
És a joia do Rio Grande do Norte
Dando brilho ao nosso Brasil

Dessas terras, fostes a primeira vila
Pioneira em solo potiguar
Das tuas lendas e igreja mais bela
Em outras plagas se ouviu falar

Extremoz, Extremoz
Nossa linda cidade floriu
És a joia do Rio Grande do Norte
Dando brilho ao nosso Brasil

Tuas lagoas e matas verdejantes
São paisagens a te rodear
As ruínas da antiga igreja
Formosuras em terra e mar

Extremoz, Extremoz
Nossa linda cidade floriu
És a joia do Rio Grande do Norte
Dando brilho ao nosso Brasil

Tão raidosa é a colheita vindoura
E tua terra um recanto de paz
Extremoz, sempre serei teu filho
Extremoz, não te deixo jamais

Extremoz, Extremoz
Nossa linda cidade floriu
És a joia do Rio Grande do Norte
Dando brilho ao nosso Brasil

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support